Blog do Sonho Eterno

Archive for the ‘Papelaria’ Category

[3B3F97_9.jpg]

Sempre gostei de escrever cartinhas, os amigos mais próximos sabem disso, porque vira e mexe recebem um desses mimos meu. Acontece que acho carta mais romantico do que e-mail. Numa carta a gente deposita um pouco da gente, ao escrever de punho próprio, escolher o papel, a caneta e até o envelope. Se tem uma coisa que acho super fina é arrematar as cartas, diplomas e até convites com cera. Esse tipo de carimbo chama-se sinete e no momento desejo muito um com minhas iniciais.

Cera Prata para Lacre

A cera para o lacre (vide foto acima), parece uma vela, e o mecanismo é o mesmo, acende a vela e deixa a cera pingar no papel onde deseja-se lacrar. Só não sei dizer se o material é o mesmo das velas que a gente usa em casa, creio que não, por conta do acabamento meio emborrachado. A cera você pode comprar aqui.

O resultado do carimbo é esse aí, lindo, não?

Anúncios

Olha esse save the date que coisa mais meiga e super fácil de fazer. Você pode confeccionar cartões postais, ou comprar já prontos, e enviar pelo correio. No caso abaixo, tem também um carimbo, o que dá certo charme no final.


O carimbo foi confeccionado através de um kit de carimbos, mas aqui no Brasil existem muitos lugares que faz carimbo e io precinho é camarada. O postal vintage foi comprado no EBay, mas eu faria os meus.

Olha que coisinha mais fofa esse cartãozinho para agradecer a presença (ou o presente) de uma pessoa em seu casamento…

 

O casal fez um papel de carta e envelope para enviar aos convidados. Anexaram uma foto linda do grande dia e escreveram os agradecimentos com punho próprio, o que atribui exclusividade e muito carinho ao ato.

A dona das cartinhas de agradecimento contou que escreveu 106 a punho próprio, com envelopes subscritados à mão, montados e fechados um a um. O marido escolheu as mensagens que iriam para os convidados de sua parte, mas foi a esposa que manuscreveu tudinho. Creio que porque devia ter a letra mais bonita, não sei.

Tudo foi feito realmente manualmente. A noiva mandou fazer um carimbo como nome do casal, que também foi uma forma de comunicar o seu sobrenome de casada, e o endereço atual dos pombinhos. Carimbou o lugar do remetente nos envelopes. Comprou cartões banquinhos em papel com textura e bordas trabalhadas, sem nada impresso, e uma caneta preta boa. Também carimbou o topo do cartão, como um cabeçalho. Aberto, parecia um papel de carta.

Também teve uma idéia que me pareceu ótima, mandou imprimir cópias de uma foto nossa para colocar junto, como fazem os alemães, e fez uma pequena assinatura no verso com a data do casamento, também à mão. A  foto foi colocada dentro dos cartões, usando a mesma faixa que fechou o convite de casamento, já que tinham uma sobra dessas faixas.

Segundo a noiva, ela pensou que as mensagens sairiam padronizadas. Embora as mensagens fossem basicamente as mesmas, agradecer a presença, o presente e os votos de felicidades. Mas cada uma acabou escrita de forma diferente, pessoal e individualizada para cada pessoa, às vezes até fazendo brincadeiras, usando frases ou citando situações, daquelas bem específicas mesmo. Ao escrever o nome das pessoas no papel a muitas idéias vinham para suas cartas, assim como se estivesse fazendo-o pessoalmente.

Quase todos os convidados receberam cartões, eles fizeram assim:

  • Cada cartão leva também uma cópia de uma foto oficial do casal.
  • Padrinhos, mães, damas e pagem ganharam cartões com a foto oficial e cópias das fotos oficiais tiradas com eles, eles devem ter adorado.
  • Também mandaram uma foto a mais, ampliada, para os avós, que adoram e colocaram-na num porta-retrato com foto de família na sala!
  • Para quem foi e deu presente, agradeceram a presença e o presente.
  • Para quem foi e não deu presente, agradeceram a presença e o carinho.
  • Para quem não foi e mesmo assim mandou presente, agradeceram o presente e disseram que sentimos falta da presença da pessoa.
  • Para quem não foi nem mandou presente, mas deu um telefonema de felicitações, lamentaram também a ausência e agradeceram o telefonema ou recado, o carinho e os votos de felicidades. Em alguns cartões foi escrito algo como “segue uma foto como recordação deste dia especial”.
  • Para quem não foi e nem satisfação deu, não mandaram nada. Aqui cabe um protesto, é muito feio se comportar dessa forma diante de um convite para qualquer coisa.
  • Imagino o trabalhão que deve ter dado tudo isso, mas eu que amo artigos de papelaria e obviamente escrever, seria um ato muito prazeroso. Imagino o quão feliz os amigos, parentes e convidados ficaram felizes com um gesto tão gentil como esse. Até hoje, na vida real, só recebi uma vez um catãozinho de agradecimento, e era em escala industrial, ou seja, impresso. Mesmo assim, achei simpático.