Blog do Sonho Eterno

Archive for the ‘Osasco’ Category

Gazeta do Povo, Antonio Costa

Sabe esses adesivos “Família Feliz” que estão super em alta? Então, eles são muito perigosos também, pois passa a pessoas não muito bem intencionadas informações muito intimas da sua família. Vamos a alguns exemplos:

  • O bandido passa em frente a sua casa e vê o carro na garagem, pronto! Ele já sabe quantas pessoas vivem em sua casa, inclusive descobre se você tem algum cão, que poderia fazer a guarda da casa. Com essa informação, quando vir os membros da família dentro do carro, saberá quando a casa está vazia e mais fácil de invadir.
  • Sabe aquelas simulações de sequestro? O bandido liga no 102 da telefônica e pede o seu telefone. Feito isso, pode te ligar e te dizer: -Estou com seu filho caçula. Quando perceber que ele não está em casa. Você desesperada, provavelmente cairá no golpe. Pois esses adesivos dão informações inclusive da idade cronológica dos filhos.
  • Já vi desses adesivos com os personagens mais caracterizados. Por exemplo, informando que o pai é médico ou que o filho surfa, por exemplo. São informações importantes para o bandido te chantagear.
  • O pior conjunto de adesivos que vi foi um com o desenho e nome dos membros da família. Acho que o bandido nem acredita quando vê tamanha ingenuidade, deve dar até pulinhos de alegrinha quando percebe alguém tão ingênuo.
  • Aqui no meu prédio, tem uma moça que colocou três mulheres como a família dela. Bom, não sei se é uma mãe separada e duas filhas ou um triângulo de sapatonas, só sei que avisa ao meliante que são três mulheres, o sexo mais procurado pelos bandidos.

Procurando uma imagem para ilustrar o post, achei uma matéria falando dos perigos de usar esses adesivos, pode-se ler aqui. Claro que acho que deveríamos poder colocar no nosso carro o que quisermos, até a foto enorme do filho, mas essa não é a realidade em que vivemos. Aqui em nosso pais tem muita gente ruim arquitetando crimes impressionantes. Fica a dica!

Anúncios

O leitor do blog tem o privilégio de conhecer de primeira mão as cores das roupas minha e da minha família para a minha festa de aniversário com o tema anos 1950.

Fizemos tudo de algodão, muito mais confortável que o tradicional cetim. Também tivemos o cuidado de combinar as roupas dos casais, meus pais de amarelinho e eu e o meu namo de marrom e rosa. Antigamente isso era moda, combinar a sua roupa com a do namorado, chamavam de par de vaso. Afinal de contas qualquer detalhe é essencial para uma festa de sucesso.

O meu sapato, foto abaixo, comprei no Empório dos Calçados, que é um shopping só de calçados que fica na Vila Leopoldina… sem dúvida o paraíso dos calçados.


Embora o salto seja baixo, atípico para mim, resolvi comprar mesmo assim porque achei que tinha tudo a ver com o estilo do meu vestido, com a época e o melhor, super conforto, não sentirei dor no pé em nenhum momento da festa.

Vocês curtiram?

O porteiro interfonou rindo, era o motorista do SBT que me esperava em frente ao meu prédio. Acho que pensou que diabos essa Debora está aprontando agora? E ele tinha total razão em pensar dessa forma, estava prestes a aprontar mais uma!

Quando desci encontrei um carro comum, sem o logo da emissora, mas logo o motorista chamou por meu nome e eu pude ver o crachá de identificação, embora fosse difícil ser uma fraude, sempre fico com um pé atrás e segurança é tudo nessa vida. Ao entrar no carro deparei-me com uma pessoa extremamente faladeira que puxou assunto desde o inicio da viagem. Contou-me causos de famosos, de sua experiência em gravações e como odiava levar figurinista para escolher roupa, porque era um serviço muito maçante e demorado. Dei muita risada com o rapaz que foi muito gente boa comigo. Se ofereceu para me mostrar as dependências do SBT, os estúdios, o local onde tem as gincanas do programa Silvio Santos, a cidade cenográfica, o restaurante, a parte de jornalismo… fez isso para ser querido comigo, afinal de contas, não tinha nenhuma obrigação para tal. Enquanto isso a produtora do programa no qual participaria fazia zilhões de chamadas, estressadíssima queria saber de meu paradeiro e eu coloquei o telefone no vibracal, estava adorando conhecer a emissora.

Fiz o que tinha que fazer e vim embora. Dessa vez com outro motorista tão simpático e gentil como o anterior. Após o constrangimento inicial de ter sido pessimamente tratado pela produtora que achou que ele atrasou, engrenamos num maior bate-papo. Ele me contou que já foi figurante mais de três dezenas de vezes, contou algumas fofocas de celebridades, acho que o pessoal das revistas de fofoca deveriam se aliar aos motoristas. Eles com certeza sabem muito da vida dos famosos. Quando chegou em casa o rapaz ficou até desapontado de ser tão perto, não que ele estava me paquerando, muito pelo contrario, os dois motoristas me contaram histórias de suas famílias , mas é que o papo estava muito bom.

Ambos os motoristas educadíssimos, me chamando pelo nome, enquanto a produtora com aquela falsa felicidade me chamava de flor toda hora o que me deixou um pouquinho incomodada.

 

Sábado fui a uma sorveteria com o namorado, como o local não é tão próximo de casa, fomos de carro. Peguei uma das avenidas mais movimentadas de Osasco, a C Costa, que estava completamente tomada pela carreata do PT. Caminhões, vans, carros de passeio, trio elétricos, carros em formato de estrela juntamente com musicas partidárias tomavam a avenida e eu estava bem atrás deles. Segui, por obrigação, o cortejo por alguns metros, vi que algumas pessoas entravam em ruas secundárias para desviar. Embora não conhecesse o local para fazer tal desvio o segui e percebi que a carreata cruzava toda a avenida, que é longa, e não sei onde ia parar. Nessa foto eu já tinha voltado para a avenida e estava no contra-fluxo.

Não gosto desses partidos que não estão nem aí para o bem estar comum e fazem de tudo para ganhar voto, nem que seja tirar a nossa paz.

Hoje cedo estava próxima das imediações da matriz do Bradesco. Um moço distribuía um jornalzinho dos bancários com a seguinte manchete, que ocupava pelo menos metade do layout da primeira página da publicação, ENTENDEU O RECADO, BANQUEIRO? Me ofereceu um folha e fiz sinal que não queria. Estava com o carro de mamãe e fico toda atrapalhada em abrir o vidro e dirigir o carro dela ao mesmo tempo, já que os comandos são bem diferentes so meu carro. O moço com raiva gritou –Você é bancária senhora!
Embora ele estivesse certo, sou sim bancária, mas sou cidadã e vivemos numa democracia. Tenho o direito de não querer pegar o jornal dos bancários, mesmo porque não acho que a turma do sindicato seja muito competente. É sério, por exemplo, as negociações de aumento salarial, que eles nunca aceitam a proposta dos banqueiros em primeira estância, nos obrigam a fazer greve. Sim, eles fecham as entradas do banco e não deixam a gente passar para trabalhar, para no final aceitar a proposta inicial dos bancos como cordeirinhos obedientes. Por isso sou um pouco cética com relação ao trabalho do sindicato e não tenho muito interesse em saber o que estão aprontando!

A banda do meu irmão The Veggie Pimps acabou de lançar o clipe da música The Pupils Fanclub que já está disponível no Youtube. Meu irmão é um entusiasta, sempre criando coisas novas e inusitadas. O vídeo pode parecer meio familiar para alguns de vocês, foi gravado na sala da minha casa.

Ah! O vocalista e guitarrista da banda é o Guilherme e o baterista o Bryan. Uma peculiaridade da banda é que ambos são vegetarianos e gostam disso.

 Deixe um comentário para os meninos.

Vamos deixar um pouco a luxuria, a moda e beleza de lado e vamos falar de pessoas, ok?

Domingo fui fazer serviço voluntário no Jardim Conceição, que fica na periferia de Osasco, com uns colegas de trabalho. Ao longo de alguns anos adotamos um centro social e ajudamos com mantimentos, materiais de limpeza, brinquedos, benfeitorias e construções. Nossas campanhas, dentro do departamento lá da empresa onde incentiva o serviço voluntário sempre são um sucesso. E dessa vez não foi diferente, fizemos a alegria de crianças e adolescentes levando um pouquinho de alegria e lazer.

Veja algumas fotos do evento:

As crianças se lotaram de tatuagem na pele, vocês vão reparar que eles quase não sorriem, é uma constatação verdadeira, porém triste.

Serviços dentro de uma sala de exibição, pipocas doces e salgadinhos.

A Fundação Bradesco nos enviou como cortesia um pula-pula inflável.

A pintura de cabelo foi um dos maiores sucesso do evento.

Onde também era possível fazer penteados fotos, com tic-tacs eelásticos coloridos e até cortar o cabelo.

Mas o maior sucesso mesmo, ao me ver, são as pinturas de rosto. Não consegui escolher apenas algumas fotos, então fiz dois paineis com pinturas de rosto.

Até conseguimos tirar sorrisos nessa atividade.

Teve o momento de vaidade, hora de cuidar das unhas, com direito ao rosa-chiclete e unhas artísticas.

Além de distribuir esculturas de balões, o grupo de voluntários ensiou a fazer esculturas e as crianças prestaram atenção. Só faltou a Fernanda e o Lineu aqui, que são expert no assunto.

O Club House além de tirar fotos 3×4 para documentos gratuitamente, fazia calendários personalizados, segundo o voluntário responsável da área o mais pedido foi o do São Paulo e também deixava as crianças jogarem games da moda e navegar na internet.

O cinema começou meio tímido, as crianças querem so brincar, se pintar… mas depois muitas pararam para ver os desenhos de curta duração, com direito a pipoca e brindes no final.

No quesito brincadeira, a cama elástica era a favorita. Até os marmanjos queriam se arriscar por lá, mas não era permitido, né?

Separei as fotos de umas meninas bonitas que estiveram por lá. Tem gente muito bonita sim na periferia. Minha favorita, no quesito beleza e simpatia, é aquele pecurrucha do cantinho direito que está com a cara pintada. Ela ficou o dia inteirinho lá, desde bem cedinho era a coisa mais fofa desse mundo. Embora ela já seja um pouco grandinha, falava ainda como bebe.

Para finalizar, separei essas fotos de alguns momentos, de abraços, de criança lindas.  Parabéns aos voluntários fico feliz que o mundo esteja cheio de gente querendo ajudar. Reparei que a maior parte das pessoas que ajudam, são pessoas que nunca precisaram, sempre tiveram uma vida relativamente boa. Quem emerge, fica um pouco mais relapso e meio que esquece que ainda existe pobreza. Pensem nisso.